Categorias
Sem categoria

Europa desprezada e abandonada – cultura estratégica

https://www.strategic-culture.org/news/2021/10/08/europa-scorned-and-forsaken/

Europa Scorned and Forsaken


A Europa possui a energia e a humildade para se olhar no espelho e reposicionar-se diplomaticamente?

Dois eventos se combinaram para criar um ponto de inflexão importante para a Europa: o primeiro foi o abandono da manobra do Grande Jogo de tentar manter as duas grandes potências terrestres da Ásia Central – Rússia e China – divididas e em conflito uma com a outra. Essa foi a consequência inexorável da derrota dos Estados Unidos no Afeganistão – e da perda de seu último ponto de apoio estratégico na Ásia.A resposta de Washington foi uma reversão à velha tática geopolítica do século XIX de contenção marítima do poder terrestre asiático – por meio do controle das rotas marítimas. No entanto, o pivô da América para a China como seu interesse de segurança primordial resultou no Atlântico Norte se tornando muito menos importante para Washington – à medida que o ponto crucial da segurança dos EUA se compacta para ‘bloquear’ a China no Pacífico.


A figura ligada ao establishment, George Friedman (famoso na Stratfor), delineou a nova estratégia pós-afegã dos Estados Unidos na TV polonesa. Ele disse asperamente : “Quando procuramos aliados [para uma força marítima no Pacífico] com os quais pudéssemos contar – eram os britânicos e os australianos. Os franceses não estavam lá ”. Friedman sugeriu que a ameaça da Rússia é mais do que um pouco exagerada, e deu a entender que a OTAN do Atlântico Norte e a Europa não são particularmente relevantes para os EUA no novo contexto de ‘competição da China’. “Perguntamos”, diz Friedman, “o que faz a OTAN pelos problemas que os EUA têm neste momento?”. “Este [AUKUS] é a [aliança] que existe desde a Segunda Guerra Mundial. Então, naturalmente, eles [Austrália] compraram submarinos americanos em vez de submarinos franceses: a vida continua ”.

Friedman continuou: “Os países da OTAN não têm força suficiente para nos ajudar. Foi enfraquecido pelos europeus. Para ter uma aliança militar, você precisa ter um militar. Os europeus não têm interesse em gastar dinheiro ”. “A Europa”, disse ele, “não nos deixou escolha: não é o caso de os EUA adotarem essa estratégia [AUKUS], é a estratégia da Europa. Em primeiro lugar, não existe Europa. Há um monte de países na Europa perseguindo seus próprios interesses. Você só pode ser bilateral [talvez trabalhando com a Polônia e a Romênia]. Não há ‘Europa’ com a qual trabalhar ”.Uma tempestade em copo d’água? Possivelmente. Mas os franceses ficaram apopléticos. Expressões como ‘punhalada nas costas’ e ‘traição’ foram lançadas ao redor. Europa foi desprezada. Ela está amarga e com raiva. Biden fez um humilde pedido de desculpas ao presidente Macron por cortar a França do contrato de submarino, e Blinken está em Paris para acalmar as penas.O relato contundente de George Friedman da “nova estratégia” pode não ser uma “linguagem” de Biden, mas é uma conceituação de think tank industrial militar. Como sabemos disso? Em primeiro lugar, porque Friedman é um de seus porta-vozes – mas simplesmente porque … continuidade. Os titulares da Casa Branca vêm e vão, mas os objetivos de segurança dos EUA não mudam tão prontamente. Quando Trump estava na Casa Branca, suas opiniões sobre a OTAN eram muito semelhantes às que Friedman acabou de repetir. Os titulares podem mudar, mas as perspectivas do think tank militar evoluem para um ciclo diferente e mais lento.A ‘dimensão multilateral’ das relações com a França seria vista como uma grande preocupação de Biden. Friedman expressou a continuidade de um foco lento dos EUA em ver a China como uma ameaça à primazia dos EUA. A OTAN não desaparecerá, mas desempenhará um papel mais restrito (especialmente na esteira de seu ‘débacle afegão).Mas a UE, Friedman deixou implacavelmente claro, não é vista pela elite de segurança dos EUA como um ator global sério – ou realmente muito mais do que um ‘apostador’, entre outros, comprando no supermercado de armas dos EUA. O contrato do submarino com a Austrália, entretanto, foi uma peça central da estratégia de Paris para a “autonomia estratégica” europeia. Macron acreditava que a França e a UE haviam estabelecido uma posição de influência duradoura no coração do Indo-Pacífico. Melhor ainda, superou a Grã-Bretanha e invadiu o mundo anglófono dos Cinco Olhos para se tornar um parceiro de defesa privilegiado da Austrália. Biden desprezou isso. E o presidente da Comissão, von der Leyen, disse à CNN que não poderia haver “negócios como de costume” depois que a UE foi pego de surpresa pelo AUKUS.Um fator para o Reino Unido ser escolhido como o ‘parceiro Indo-Pacífico’ muito provavelmente foi a persuasão bem-sucedida de Trump com ‘Bojo’ Johnson para abandonar o alcance de Cameron-Osborne para a China; enquanto as três grandes potências da UE eram vistas no mundo da segurança dos EUA como ambivalentes em relação à China, na melhor das hipóteses. O Reino Unido realmente cortou links. A graxa finalmente foi o Brexit, que abriu a janela para opções estratégicas – que de outra forma seriam impossíveis para o Reino Unido.Pode haver um preço alto a pagar, embora mais adiante – o sistema de segurança dos EUA está realmente levando o ‘envelope’ de Taiwan ao limite (possivelmente para enfraquecer o PCC). É um risco extremamente alto. A China pode decidir que “basta” e esmagar o empreendimento marítimo AUKUS, o que pode acontecer.A segunda ‘perna’ para este ponto de inflexão global – também desencadeada em torno do eixo afegão no eixo russo-chinês – foi a cúpula da SCO no mês passado. Um memorando de entendimento foi aprovado que uniria o Belt and Road Initiative da China à Comunidade Econômica da Eurásia, dentro da estrutura geral da SCO, enquanto adicionava uma dimensão militar mais profunda à estrutura expandida da SCO. Significativamente, o presidente Xi falou separadamente aos membros da Organização do Tratado de Segurança Coletiva (da qual a China não faz parte), para delinear sua integração militar em perspectiva também nas estruturas militares da SCO. O Irã tornou-se membro pleno e, junto com o Paquistão (já membro), foram elevados aos principais papéis da Eurásia. Em suma, todos os caminhos de integração da Eurásia combinados em um novo comércio, recurso – e bloco militar. Ele representa uma arquitetura de segurança de grande potência em evolução, cobrindo cerca de 57% da população mundial.Tendo elevado o Irã como membro pleno – Arábia Saudita, Catar e Egito também podem se tornar parceiros de diálogo da SCO. Isso é um bom augúrio para uma arquitetura mais ampla que pode incluir mais do Oriente Médio. A Turquia, após a cúpula do presidente Erdogan com o presidente Putin em Sochi, na semana passada, deu claras indicações de que está se voltando para o complexo militar da Rússia – com grandes encomendas de armamentos russos. Erdogan deixou claro em uma entrevista à mídia norte-americana que isso incluía um novo sistema de defesa aérea S400, que quase certamente resultará em sanções americanas do CAATSA contra a Turquia.Tudo isso enfrenta um dilema para a UE: os aliados que aplaudiram o slogan “América está de volta” de Biden em janeiro descobriram, oito meses depois, que “América em primeiro lugar” nunca foi embora. Mas, em vez disso, Biden paradoxalmente está cumprindo a agenda de Trump (continuidade de novo!) – uma OTAN truncada (Trump sugeriu desistir dela) e a possível rejeição da Alemanha pelos Estados Unidos, já que alguns candidatos a parceiros da coalizão estão prestes a sair do guarda-chuva nuclear. O SPD ainda fala da boca para fora à OTAN, mas o partido se opõe à meta de 2% de gastos com defesa (na qual Biden e Trump têm insistido). Biden também cumpriu sua promessa sobre a retirada do Afeganistão.Os europeus podem se sentir traídos (embora quando a política dos Estados Unidos não tenha sido diferente de ‘America First’? É apenas o fingimento que se foi). As grandes aspirações europeias no plano global foram rudemente menosprezadas por Washington. O eixo Rússia-China está no comando da Ásia Central – com sua influência chegando à Turquia e ao Oriente Médio. Este último comanda a parcela dos leões na população mundial de minerais – e, na esfera CTSO, possui a região mais faminta e madura para o desenvolvimento econômico.
O ponto aqui, entretanto, é o ‘DNA’ da UE. A UE foi um projeto originalmente criado pela CIA e, por tratado, está vinculado aos interesses de segurança da OTAN (ou seja, os EUA). Desde o início, a UE foi constelada como o braço de poder brando do Consenso de Washington, e o euro foi deliberadamente colocado fora da esfera do dólar, para impedir a competição com ele (de acordo com a doutrina do Consenso de Washington). Em 2002, um funcionário da UE (Robert Cooper) poderia imaginarA Europa como um novo “imperialismo liberal”. O “novo” era que a Europa evitava o poder militar rígido em favor do poder “brando” de sua “visão”. Claro, a afirmação de Cooper da necessidade de um ‘novo tipo de imperialismo’ não era tão liberal ‘fofinho’ – como apresentado. Ele defendeu “uma nova era de império”, na qual as potências ocidentais não teriam mais que seguir o direito internacional em suas negociações com os Estados “antiquados”; poderia usar a força militar independentemente das Nações Unidas; e impor protetorados para substituir regimes que ‘governam mal’.

Isso pode ter soado bastante louvável para as euro-elites inicialmente, mas esse leviatã europeu de soft power foi totalmente sustentado pela suposição não declarada – mas essencial – de que a América “protegia a Europa”. A primeira indicação do colapso desse pilar necessário foi Trump, que falou da Europa como um “rival”. Agora, a fuga dos Estados Unidos de Cabul e o acordo com a AUKUS, eclodidos pelas costas da Europa, revelam, de forma imperdível, que os Estados Unidos não têm a Europa de forma alguma.Este não é um ponto semântico. É fundamental para o conceito da UE. Apenas como um exemplo: quando Mario Draghi foi recentemente lançado de paraquedas na Itália como PM, ele apontou o dedo para os partidos políticos italianos reunidos: “A Itália seria pró-europeia e atlantista do Norte também”, ele os instruiu. Isso não faz mais sentido à luz dos eventos recentes. Então, o que é a Europa? O que significa ser “europeu”? Tudo isso precisa ser pensado.A Europa hoje está presa entre uma rocha e um lugar duro. Possui energia (e humildade) para se olhar no espelho e se reposicionar diplomaticamente? Seria necessário alterar seu endereço tanto para a Rússia quanto para a China, à luz de uma análise da Realpolitik de seus interesses e capacidades.As opiniões dos colaboradores individuais não representam necessariamente as opiniões da Strategic Culture Foundation.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s