Categorias
Sem categoria

Criação de mitos e a destruição atômica de Hiroshima e Nagasaki – CounterPunch.org

https://www.counterpunch.org/2021/08/06/mythmaking-and-the-atomic-destruction-of-hiroshima-and-nagasaki/




6 DE AGOSTO DE 2021
Criação de mitos e a destruição atômica de Hiroshima e Nagasaki
DE JACQUES R. PAUWELS

Fonte da Fotografia: ENERGY.GOV – Domínio Público


Mito: A guerra no Extremo Oriente só terminou no verão de 1945, quando o presidente dos Estados Unidos e seus assessores sentiram que, para forçar os fanáticos japoneses a se renderem incondicionalmente, eles não tinham outra opção a não ser destruir não uma, mas duas cidades, Hiroshima e Nagasaki, com bombas atômicas. Esta decisão salvou a vida de incontáveis americanos e japoneses que teriam perecido se a guerra continuasse e exigisse uma invasão do Japão.

Realidade: Hiroshima e Nagasaki foram destruídas para impedir que os soviéticos contribuíssem para a vitória contra o Japão, o que teria forçado Washington a permitir que Moscou participasse da ocupação e reconstrução do país no pós-guerra. Foi também a intenção de intimidar a liderança soviética e, assim, arrancar-lhe concessões com respeito aos arranjos do pós-guerra na Alemanha e na Europa Oriental. Finalmente, não foi a destruição de Hiroshima e Nagasaki, mas a entrada soviética na guerra contra o Japão, que fez Tóquio se render.

Com a capitulação alemã no início de maio de 1945, a guerra na Europa acabou. Os vencedores, os Três Grandes, [1]agora enfrentava o problema complexo e delicado da reorganização da Europa no pós-guerra. Os Estados Unidos entraram na guerra bastante tarde, nomeadamente em dezembro de 1941. E os americanos só começaram a dar uma contribuição importante para a vitória contra a Alemanha com os desembarques na Normandia em junho de 1944, ou seja, menos de um ano antes do final de as hostilidades na Europa. Quando a guerra contra a Alemanha terminou, entretanto, o Tio Sam ocupou um assento à mesa dos vencedores, pronto e ansioso para cuidar de seus interesses, para alcançar o que se poderia chamar de objetivos de guerra americanos. (É um mito que os americanos presumivelmente profundamente isolacionistas apenas quisessem se retirar da Europa: os líderes políticos, militares e econômicos do país tinham razões urgentes para manter uma presença no velho continente.) As outras grandes potências vitoriosas, A Grã-Bretanha e a União Soviética também procuraram perseguir seus interesses. Ficou claro que seria impossível para um dos três “ter tudo”, que compromissos teriam que ser alcançados. Do ponto de vista americano, as expectativas britânicas não representavam um grande problema, mas as aspirações soviéticas eram uma preocupação. Quais eram, então, os objetivos de guerra da União Soviética?

Como o país que de longe deu a maior contribuição para a vitória comum sobre a Alemanha nazista e sofreu enormes baixas no processo, a União Soviética tinha dois objetivos principais. Primeiro, pesados pagamentos de indenização da Alemanha como compensação pela enorme destruição provocada pela agressão nazista, uma demanda semelhante às demandas francesas e belgas de pagamentos de indenizações do Reich após a Primeira Guerra Mundial. Em segundo lugar, segurança contra potenciais ameaças futuras que emanam da Alemanha. Essas preocupações com a segurança também envolviam a Europa Oriental, especialmente a Polônia, um potencial trampolim para a agressão alemã contra a URSS. Moscou queria garantir que na Alemanha, na Polônia e em outros países do Leste Europeu nenhum regime hostil à União Soviética jamais voltaria ao poder. Os soviéticos também esperavam que os aliados ocidentais certificassem sua recuperação dos territórios perdidos pela Rússia revolucionária durante a Revolução e a Guerra Civil, como a “Polônia Oriental”, e reconhecessem a metamorfose dos três estados bálticos de países independentes em repúblicas autônomas dentro do União Soviética. Finalmente, agora que o pesadelo da guerra acabou, os soviéticos esperavam poder voltar a trabalhar na construção de uma sociedade socialista. É bem sabido que o supremo soviético Stalin acreditava firmemente na ideia de que era possível e mesmo necessário criar “o socialismo em um só país”, daí a hostilidade entre ele e Trotsky, um apóstolo da revolução mundial. Menos conhecido é o fato de que, com o fim da guerra, Stalin não planejou instalar regimes comunistas na Alemanha ou em qualquer um dos países do Leste Europeu libertados pelo Exército Vermelho, e que também desencorajou os partidos comunistas na França, Itália e em outros lugares da Europa Ocidental, libertados pelos americanos e seus aliados, de tentar chegar ao poder. Ele já havia parado formalmente de promover a revolução mundial em 1943, quando dissolveu o Comintern, a organização comunista internacional criada para esse fim por Lenin em 1919. Essa política foi ressentida por muitos comunistas fora da União Soviética, mas agradou aos aliados ocidentais de Moscou, especialmente os EUA e a Grã-Bretanha. Stalin estava ansioso para manter boas relações com eles, porque precisava de sua boa vontade e cooperação para alcançar os objetivos, descritos acima, de fornecer reparações, segurança à União Soviética, e a oportunidade de retomar o trabalho de construção de uma sociedade socialista. Seus parceiros americanos e britânicos nunca indicaram a Stalin que consideravam essas expectativas irracionais. Ao contrário, a legitimidade desses objetivos de guerra soviéticos foi reconhecida repetidamente, explícita ou implicitamente, em Teerã, Yalta e em outros lugares.

Os americanos e seus britânicos, canadenses e outros parceiros haviam libertado a maior parte da Europa Ocidental no final de 1944. E eles se certificaram de que na Itália, na França e em outros lugares, fossem estabelecidos regimes que eram adequados a eles, senão sempre a a população em geral. Isso geralmente significava que os comunistas locais eram totalmente marginalizados; se isso se mostrasse impossível, por exemplo na França, eles não tinham uma parcela de poder proporcional ao importante papel que haviam desempenhado na resistência ou ao considerável apoio popular de que desfrutavam. E mesmo que os acordos inter-aliados estipulassem que os “três grandes” colaborariam estreitamente na administração e reconstrução dos países libertados, os americanos e britânicos impediram seu aliado soviético de fornecer qualquer contribuição para os assuntos da Itália, por exemplo, o primeiro país a ser libertado, já em 1943. Nesse país, os americanos e britânicos colocaram de lado os comunistas, muito populares por seu papel na resistência, a favor de ex-fascistas como Badoglio, sem permitir que os soviéticos qualquer participação . esteo modus operandi deveria abrir um precedente fatídico. Stalin não teve escolha a não ser aceitar esse arranjo, mas, como observou o historiador americano Gabriel Kolko, “os russos aceitaram a ‘fórmula’ [italiana] sem muito entusiasmo, mas anotaram cuidadosamente o arranjo para referência futura e como um precedente”. [2] (Os soviéticos tinham, sem dúvida, direito a uma voz nos assuntos da Itália, uma vez que as tropas italianas participaram da Operação Barbarossa.)

Na Europa Ocidental, em 1943-1944, os libertadores americanos e britânicos agiram ad libitum , ignorando não apenas os desejos de grande parte da população local, mas também os interesses de seu aliado soviético, e Stalin aceitou esse arranjo. Em 1945, por outro lado, o sapato estava do outro lado: os soviéticos claramente desfrutavam da vantagem em uma Europa Oriental libertada pelo Exército Vermelho. Mesmo assim, os Aliados ocidentais podiam esperar poder contribuir também para a reorganização desta parte da Europa. Tudo ainda era possível lá. Os soviéticos obviamente favoreciam os comunistas locais, mas ainda não haviam criado nenhum fato consumado. E os aliados ocidentais sabiam muito bem que Stalin ansiava por sua boa vontade e cooperação e, portanto, estariam dispostos a fazer concessões. Os líderes políticos e militares em Washington e Londres também esperavam que Stalin fosse indulgente porque, do contrário, ele tinha motivos para temer as consequências. O líder soviético tinha plena consciência de que já era uma enorme conquista para seu país ter emergido vitoriosamente de uma luta de vida ou morte com o gigante nazista. Mas ele também sabia que muitos líderes americanos e britânicos, exemplificados por Patton e Churchill, odiavam a União Soviética e estavam até considerando travar uma guerra contra ela assim que o inimigo alemão comum fosse derrotado, de preferência em uma marcha sobre Moscou lado a lado com o restante da hoste nazista; aquele plano, denominado Operação impensável, fora traçado por Churchill.

As aspirações dos soviéticos com respeito a reparações e segurança, descritas acima, não eram irracionais, e os líderes dos EUA e da Grã-Bretanha reconheceram sua legitimidade, explícita ou implicitamente, durante uma reunião dos Três Grandes em Yalta em fevereiro de 1945. Mas Washington e Londres estava longe de se encantar com a perspectiva de ver a União Soviética receber o que lhe era devido, depois de ter feito esforços e sacrifícios tão notáveis em nome da causa antinazista comum. Os americanos, em particular, tinham suas próprias idéias a respeito da Alemanha do pós-guerra e da Europa Oriental e Ocidental, que serão examinadas no próximo capítulo. As reparações, por exemplo, permitiriam aos soviéticos retomar o trabalho, possivelmente com sucesso, no projeto de uma sociedade comunista,

Essencialmente, na Polônia e em outras partes da Europa Oriental, o Tio Sam queria governos, democráticos ou não, que perseguissem uma política econômica liberal, envolvendo uma “porta aberta” para produtos americanos e capital de investimento. Roosevelt havia demonstrado certa empatia em relação aos soviéticos, mas após sua morte em 12 de abril de 1945, seu sucessor, Harry Truman, tinha pouca ou nenhuma simpatia ou compreensão do ponto de vista soviético. Ele e seus conselheiros detestavam a ideia de que a União Soviética pudesse receber grandes reparações da Alemanha, uma vez que isso provavelmente desqualificaria a Alemanha como um mercado potencialmente lucrativo para produtos americanos e capital de investimento. E também achavam abominável que os soviéticos certamente usassem o capital alemão para construir um sistema socialista, uma forma indesejável de competição pelo capitalismo.

As aspirações soviéticas eram razoáveis, e os líderes soviéticos, incluindo Stalin, que geralmente é erroneamente retratado como tomando todas as decisões sozinho, certamente estavam dispostos a fazer grandes concessões. Era possível conversar com eles, mas tal diálogo também exigia paciência e compreensão do ponto de vista soviético e precisava ser realizado com o conhecimento de que a União Soviética não estava preparada para deixar a mesa de conferência de mãos vazias. Truman, entretanto, não desejava se envolver em tal diálogo. (O fato de Stalin estar interessado no diálogo e poder ser mais razoável deve ser refletido em sua abordagem aos arranjos do pós-guerra em relação à Finlândia e à Áustria; o Exército Vermelho no devido tempo se retiraria desses países sem deixar para trás quaisquer regimes comunistas.)

Truman e seus conselheiros esperavam que fosse possível forçar os soviéticos a se absterem das reparações alemãs e se retirarem não apenas da parte oriental do território alemão, mas também da Polônia e do resto da Europa Oriental, para que os americanos e seus parceiros britânicos pudessem operam lá como já haviam feito na Europa Ocidental. Truman até esperava que fosse possível fazer com que os soviéticos acabassem com sua experiência comunista, que permaneceu uma fonte de inspiração para “vermelhos” e outros radicais e revolucionários em todo o mundo, até mesmo nos próprios Estados Unidos.

No início da primavera de 1945, Churchill havia criticado a ideia de fazer com que as tropas americanas e britânicas marchassem para Moscou junto com as forças nazistas remanescentes. Mas esse plano, chamado Operação impensável, teve que ser abandonado. principalmente por causa do mesmo tipo de oposição rígida exibida por soldados e civis que levaram ao aborto da intervenção armada na Guerra Civil Russa. Assim como Patton, que ansiava por desempenhar um papel importante em “Barbarossa Bis”, Truman deve ter ficado desapontado. Mas em 25 de abril de 1945, poucos dias antes da capitulação alemã, o presidente recebeu notícias eletrizantes. Ele foi informado sobre o ultrassecreto Projeto Manhattan, ou S-1, o codinome para a construção da bomba atômica. Essa nova e poderosa arma, na qual os americanos trabalharam durante anos, estava quase pronta e, se testada com sucesso, logo estaria disponível para uso. Truman e seus conselheiros, portanto, caíram no feitiço do que o renomado historiador americano William Appleman Williams chamou de “visão de onipotência”. Eles se convenceram de que a nova arma lhes permitiria impor sua vontade à União Soviética. A bomba atômica era “um martelo”, como disse o próprio Truman, que ele acenava sobre a cabeça “daqueles garotos do Kremlin”.[3]

Graças à bomba, agora seria possível forçar Moscou a retirar o Exército Vermelho da Alemanha e negar a Stalin uma palavra a dizer em seus assuntos do pós-guerra. Agora também parecia uma proposta viável instalar regimes pró-Ocidente e até anticomunistas na Polônia e em outras partes da Europa Oriental, e evitar que Stalin exercesse qualquer influência ali. Tornou-se até mesmo imaginável que a própria União Soviética pudesse ser aberta ao capital de investimento americano, bem como à influência política e econômica americana, e que esse herege comunista pudesse, assim, ser devolvido ao seio da igreja capitalista universal. “Há evidências”, escreve o historiador alemão Jost Dülffer, de que Truman acreditava que o monopólio da bomba nuclear seria “um passepartoutpara a implementação das ideias dos Estados Unidos para uma nova ordem mundial ”. [4] De fato, com a pistola nuclear em seu quadril, o presidente americano não sentiu que deveria tratar “os meninos do Kremlin”, que não possuíam tal super-arma, como seus iguais. “Os líderes americanos tornaram-se farisaicos e criticaram a Rússia”, escreve Gabriel Kolko, “[e] recusaram-se a negociar de forma séria simplesmente porque, como senhor autoconfiante dos poderes econômicos e militares, os Estados Unidos sentiram que poderiam definir o ordem mundial”. [5]

A posse de uma nova arma poderosa também abriu todos os tipos de possibilidades com relação à guerra em curso no Extremo Oriente e os arranjos pós-guerra a serem feitos para aquela parte do mundo, de grande importância para os líderes dos EUA, como nós temos visto ao lidar com Pearl Harbor. No entanto, jogar aquele poderoso trunfo só seria possível depois que a bomba tivesse sido testada com sucesso e estivesse disponível para ser usada. Truman precisava esperar sua hora. Portanto, ele não acatou o conselho de Churchill de discutir o destino da Alemanha e da Europa Oriental com Stalin o mais rápido possível, “antes que os exércitos da democracia se derretessem”, isto é, antes que as tropas americanas retirassem-se da Europa. Por fim, Truman concordou com uma reunião de cúpula dos Três Grandes em Berlim, mas não antes do verão, quando a bomba deveria estar pronta.

A reunião dos Três Grandes ocorreu, não em Berlim bombardeada, mas na vizinha Potsdam, de 17 de julho a 2 de agosto de 1945. Foi lá que Truman recebeu a tão esperada mensagem de que a bomba atômica havia sido testada com sucesso em julho 16 no Novo México. O presidente americano agora se sentia forte o suficiente para agir. Ele não se preocupou mais em apresentar propostas a Stalin, mas fez todos os tipos de exigências não negociáveis; ao mesmo tempo, ele rejeitou de imediato todas as propostas provenientes do lado soviético, por exemplo, propostas relativas ao pagamento de indenizações alemãs. Mas Stalin não capitulou, nem mesmo quando Truman tentou intimidá-lo sussurrando em seu ouvido que a América havia adquirido uma nova arma incrivelmente poderosa. O líder soviético, que certamente já havia sido informado sobre o Projeto Manhattan por seus espiões, ouviu em silêncio pétreo. Truman concluiu que apenas uma demonstração real da bomba atômica poderia persuadir os soviéticos a ceder. Consequentemente, nenhum acordo geral sobre questões importantes poderia ser alcançado em Potsdam. [6]

Nesse ínterim, os japoneses lutaram no Extremo Oriente, embora sua situação fosse totalmente desesperadora. Eles estavam de fato preparados para se render, mas não incondicionalmente como os americanos exigiam. Para a mente japonesa, uma capitulação incondicional evocava a suprema humilhação, ou seja, que o imperador Hirohito pudesse ser forçado a renunciar e possivelmente ser acusado de crimes de guerra. Os líderes americanos estavam cientes disso, e alguns deles, por exemplo o secretário da Marinha James Forrestal, acreditavam, como escreve o historiador Gar Alperovitz, “que uma declaração tranquilizando os japoneses de que a rendição incondicional não significa o destronamento do imperador provavelmente traria um fim da guerra ”. [7]

A demanda por uma rendição incondicional estava, na verdade, longe de ser sacrossanta: no QG do General Eisenhower em Reims em 7 de maio, uma condição alemã foi aceita, ou seja, seu pedido de cessar-fogo a ser implementado somente após um atraso não inferior a 45 horas , tempo suficiente para permitir que um grande número de suas tropas escapasse da frente oriental para acabar não no soviete, mas no cativeiro americano ou britânico; mesmo nesse estágio avançado, muitas dessas unidades seriam mantidas prontas – uniformizadas, armadas e sob o comando de seus próprios oficiais – para possível uso contra o Exército Vermelho, como Churchill iria admitir após a guerra. [8]Foi, portanto, perfeitamente possível provocar uma capitulação japonesa, apesar da exigência de imunidade para Hirohito. Além disso, a condição de Tóquio estava longe de ser essencial: depois que uma rendição incondicional foi finalmente arrancada dos japoneses, os americanos nunca se preocuparam em fazer acusações contra Hirohito, e foi graças a Washington que ele foi capaz de permanecer imperador por muitas mais décadas.

Por que os japoneses pensaram que ainda podiam se dar ao luxo de impor uma condição à sua oferta de rendição? O motivo foi que na China a principal força de seu exército permaneceu intacta. Eles pensaram que poderiam usar esse exército para defender o próprio Japão e, assim, cobrar um alto preço dos americanos por sua vitória final reconhecidamente inevitável. Esse esquema só funcionaria, entretanto, se a União Soviética não se envolvesse na guerra no Extremo Oriente, prendendo assim as forças japonesas no continente chinês. A neutralidade soviética, em outras palavras, deu a Tóquio um pouco de esperança, não esperança de uma vitória, é claro, mas esperança de que Washington pudesse aceitar a condição sobre seu imperador. Até certo ponto, a guerra com o Japão se arrastou porque a URSS ainda não estava envolvida nela. Mas Stalin já havia prometido em 1943 declarar guerra ao Japão dentro de três meses após a capitulação da Alemanha, e ele havia reiterado esse compromisso em 17 de julho de 1945, em Potsdam. Consequentemente, Washington contou com um ataque soviético ao Japão no início de agosto. Assim, os americanos sabiam muito bem que a situação dos japoneses era desesperadora. “Fini Japs quando isso acontecer”, escreveu Truman em seu diário, referindo-se à esperada intervenção soviética na guerra do Extremo Oriente.[9]

Além disso, a marinha americana garantiu a Washington que era capaz de impedir que os japoneses transferissem seu exército da China para defender a pátria contra uma invasão americana. Finalmente, era questionável se uma invasão americana ao Japão seria necessária, uma vez que a poderosa Marinha dos EUA também poderia simplesmente bloquear aquela nação insular e, assim, confrontá-la com a escolha entre capitular ou morrer de fome.

Para terminar a guerra contra o Japão sem ter que fazer mais sacrifícios, Truman tinha uma gama de opções atraentes. Ele podia aceitar a condição trivial dos japoneses, imunidade para seu imperador; ele também poderia esperar até que o Exército Vermelho atacasse os japoneses na China, forçando Tóquio a aceitar uma rendição incondicional, afinal; e ele poderia ter instituído um bloqueio naval que teria forçado Tóquio a pedir a paz mais cedo ou mais tarde. Mas Truman e seus conselheiros não escolheram nenhuma dessas opções. Em vez disso, eles decidiram derrubar o Japão com a bomba atômica.

Essa decisão fatídica, que custou a vida a centenas de milhares de pessoas, a maioria civis, ofereceu aos americanos vantagens consideráveis. Primeiro, a bomba ainda pode forçar Tóquio a se render antes que os soviéticos se envolvam na guerra na Ásia. Nesse caso, não seria necessário permitir que Moscou tivesse voz nas próximas decisões sobre o Japão do pós-guerra, sobre os territórios que haviam sido ocupados pelo Japão (como a Coréia e a Manchúria) e sobre o Extremo Oriente e a região do Pacífico em geral. Os Estados Unidos então gozariam de hegemonia total sobre aquela parte do mundo, algo que era o verdadeiro, embora tácito, objetivo de guerra de Washington no conflito com o Japão, como vimos no capítulo anterior. É por esta razão que a opção de bloqueio também foi rejeitada: neste caso,

Uma intervenção soviética na guerra no Extremo Oriente ameaçava alcançar para os soviéticos a mesma vantagem que a própria intervenção relativamente tardia dos americanos na guerra na Europa havia produzido para si próprios, ou seja, um lugar na mesa redonda dos vencedores que iriam forçar sua vontade sobre o inimigo derrotado, decidir sobre as fronteiras, determinar as estruturas socioeconômicas e políticas do pós-guerra e, assim, obter enormes benefícios e prestígio. Washington absolutamente não queria que a União Soviética desfrutasse desse tipo de contribuição. Os americanos haviam eliminado seu grande competidor imperialista naquela parte do mundo e não gostavam da ideia de serem sobrecarregados com um novo rival potencial, um rival, além disso, cuja detestada ideologia comunista já estava se tornando perigosamente influente em muitos países asiáticos, incluindo a China. . Ao fazer uso da bomba atômica,

A bomba atômica parecia oferecer aos líderes americanos uma vantagem adicional importante. A experiência de Truman em Potsdam o persuadira de que apenas uma demonstração real dessa nova arma tornaria Stalin flexível. Usar a bomba atômica para destruir uma cidade japonesa parecia ser o estratagema perfeito para intimidar os soviéticos e coagi-los a fazer grandes concessões com respeito aos arranjos do pós-guerra na Alemanha, Polônia e em outras partes da Europa Central e Oriental. O secretário de Estado de Truman, James F. Byrnes, teria declarado mais tarde que a bomba atômica havia sido usada porque tal demonstração de poder provavelmente tornaria os soviéticos mais acomodados na Europa.A bomba atômica parecia oferecer aos líderes americanos uma vantagem adicional importante. A experiência de Truman em Potsdam o persuadira de que apenas uma demonstração real dessa nova arma tornaria Stalin flexível. Usar a bomba atômica para destruir uma cidade japonesa parecia ser o estratagema perfeito para intimidar os soviéticos e coagi-los a fazer grandes concessões com respeito aos arranjos do pós-guerra na Alemanha, Polônia e em outras partes da Europa Central e Oriental. O secretário de Estado de Truman, James F. Byrnes, teria declarado mais tarde que a bomba atômica havia sido usada porque tal demonstração de poder provavelmente tornaria os soviéticos mais acomodados na Europa.

Para causar a desejada impressão aterrorizante nos soviéticos – e no resto do mundo -, a bomba obviamente teve que ser lançada sobre uma grande cidade. É provavelmente por esse motivo que Truman recusou uma proposta, feita por alguns dos cientistas envolvidos no Projeto Manhattan, para demonstrar o poder da bomba, jogando-a em alguma ilha desabitada do Pacífico: não teria havido morte e destruição suficientes . Também teria sido extremamente embaraçoso se a arma não tivesse funcionado sua magia mortal; mas se o bombardeio atômico não anunciado de uma cidade japonesa saísse pela culatra, ninguém saberia e ninguém ficaria constrangido. Uma grande cidade japonesa teve que ser selecionada, mas a capital, Tóquio, não se qualificou, uma vez que já havia sido arrasada por bombardeios convencionais anteriores, portanto, era improvável que o dano adicional fosse suficientemente impressionante. Na verdade, muito poucas cidades se qualificaram como o alvo “virgem” exigido. Por quê? No início de agosto de 1945, apenas dez cidades com mais de 100.000 habitantes permaneceram relativamente ilesas pelos bombardeios, e muitas delas estavam fora do alcance dos bombardeiros. (Devido à inexistência de defesas aéreas japonesas, o último já havia começado a destruir cidades com uma população de menos de 30.000.) Mas Hiroshima e Nagasaki tiveram azar o suficiente para se qualificar.[10]

A bomba atômica estava pronta a tempo de ser colocada em uso antes que a URSS tivesse a chance de se envolver no Extremo Oriente. Hiroshima foi destruída em 6 de agosto de 1945, mas os líderes japoneses não reagiram imediatamente com uma capitulação incondicional. O motivo foi que o dano foi grande, mas não maior do que o causado por ataques anteriores de bombardeio em Tóquio, onde um ataque de milhares de bombardeiros em 9 e 10 de março de 1945, causou mais destruição e matou mais pessoas do que na “virgem ”Alvo de Hiroshima. Isso arruinou o delicado cenário de Truman, pelo menos em parte. Tóquio ainda não havia se rendido quando em 8 de agosto de 1945 – exatamente três meses após a capitulação alemã em Berlim – a URSS declarou guerra ao Japão, e no dia seguinte o Exército Vermelho atacou as tropas japonesas estacionadas no norte da China.

Já em 10 de agosto de 1945, apenas um dia após a entrada da União Soviética na guerra no Extremo Oriente, uma segunda bomba foi lançada, desta vez na cidade de Nagasaki. Sobre este bombardeio, no qual muitos católicos japoneses morreram, um ex-capelão do exército americano afirmou mais tarde: “Essa é uma das razões pelas quais eu acho que eles lançaram a segunda bomba. Para apressar. Para fazê-los se render antes que os russos chegassem ”. [11] (O capelão pode ou não estar ciente de que entre os 75.000 seres humanos que foram “instantaneamente incinerados, carbonizados e evaporados” em Nagasaki estavam muitos católicos japoneses, bem como um número desconhecido de internos de um campo para prisioneiros de guerra aliados, cujos presença havia sido relatada ao comando aéreo, sem sucesso.) [12]

O Japão capitulou não por causa das bombas atômicas, mas por causa da entrada soviética no conflito. Após a destruição da maioria das grandes cidades do país, a destruição de Hiroshima e Nagasaki, por mais horrível que seja, fez pouca ou nenhuma diferença do ponto de vista estratégico. A declaração de guerra soviética, por outro lado, foi um golpe fatal, porque eliminou a última esperança de Tóquio de vincular algumas condições menores à capitulação inevitável. Além disso, mesmo após os bombardeios de Hiroshima e Nagasaki, os líderes japoneses sabiam que levaria muitos meses antes que as tropas americanas aterrissassem no Japão, mas o Exército Vermelho estava fazendo um progresso tão rápido que estimava-se que cruzaria para o próprio território do Japão em dez dias. Por causa do envolvimento russo, em outras palavras, Tóquio ficou sem tempo e sem opções além da rendição incondicional. O Japão capitulou por causa da declaração de guerra soviética, não por causa dos bombardeios de Hiroshima e Nagasaki. Mesmo sem as bombas atômicas, a entrada soviética na guerra teria desencadeado uma rendição.[13] Mas os líderes japoneses demoraram. Sua capitulação formal ocorreu em 14 de agosto de 1945.

Para grande desgosto de Truman e seus conselheiros, o Exército Vermelho foi capaz de fazer um progresso considerável durante aqueles dias finais da guerra. O Soviete até começou a expulsar os japoneses de sua colônia coreana, e o fez em colaboração com um movimento de libertação coreano liderado por Kim Il-sung, que provou ser imensamente popular e, portanto, prestes a chegar ao poder após a libertação de todo país do desagradável jugo colonial do Japão. Mas a perspectiva de uma Coréia socialista independente não se encaixava nos planos americanos para o Extremo Oriente do pós-guerra. Washington, portanto, rapidamente enviou tropas para ocupar o sul da península, e os soviéticos concordaram com uma divisão do país que deveria ser apenas temporária, mas durou até o presente. [14]

Parecia que os americanos ficariam presos a um parceiro soviético no Extremo Oriente, afinal, mas Truman garantiu que não fosse esse o caso. Ele agiu como se a cooperação anterior das três grandes potências na Europa não tivesse criado um precedente ao rejeitar o pedido de Stalin de uma zona de ocupação soviética na derrotada Terra do Sol Nascente em 15 de agosto de 1945. E quando em 2 de setembro de 1945, O General MacArthur oficialmente aceitou a rendição japonesa no encouraçado americano Missouri na Baía de Tóquio, representantes da União Soviética e de outros aliados no Extremo Oriente, incluindo Grã-Bretanha e Holanda, foram autorizados a estar presentes apenas como figurantes insignificantes. O Japão não foi dividido em zonas de ocupação, como a Alemanha. O rival derrotado da América seria ocupado em sua totalidade apenas pelos americanos,

Os conquistadores americanos recriaram a Terra do Sol Nascente de acordo com suas idéias e para sua vantagem. Em setembro de 1951, uma América satisfeita assinaria um tratado de paz com o Japão. A URSS, porém, cujos interesses nunca foram levados em consideração, não co-assinou esse tratado. Os soviéticos se retiraram das partes da China e da Coréia que haviam libertado, mas se recusaram a evacuar territórios japoneses como Sakhalin e as Curilas, que haviam sido ocupados pelo Exército Vermelho durante os últimos dias da guerra. Eles seriam impiedosamente criticados por isso nos Estados Unidos depois, como se a atitude do próprio governo americano nada tivesse a ver com o assunto.

Os líderes americanos acreditavam que após o estupro japonês da China e sua humilhação de potências coloniais tradicionais como Grã-Bretanha, França e Holanda, e após sua própria vitória sobre o Japão, apenas a eliminação da URSS do Extremo Oriente – aparentemente um mero formalidade – era necessária para realizar seu sonho de hegemonia absoluta naquela parte do mundo. Seu desapontamento e pesar foram ainda maiores quando, depois da guerra, a China foi “perdida” para os comunistas de Mao. Para piorar as coisas, a metade norte da Coreia, uma ex-colônia japonesa que os Estados Unidos esperavam reduzir à vassalagem junto com o próprio Japão, optou por um caminho idiossincrático para o socialismo, e no Vietnã, um movimento popular de independência sob a liderança de Ho Chi Minh também revelou ter planos que se mostraram incompatíveis com as grandes ambições asiáticas dos Estados Unidos. Não admira, então, que viria a guerra na Coréia e no Vietnã, e quase em um conflito armado com a “China Vermelha”.

Para forçar o Japão a se ajoelhar, não foi necessário usar a bomba atômica. Como um estudo americano completo da guerra aérea, o US Strategic Bombing Survey, reconheceria categoricamente: “O Japão certamente teria se rendido antes de 31 de dezembro de 1945, mesmo que as bombas atômicas não tivessem sido lançadas, mesmo que a Rússia não tivesse entrou na guerra, mesmo que nenhuma invasão tivesse sido planejada ou contemplada ”. [15]Vários líderes militares americanos reconheceram isso publicamente, incluindo Henry “Hap” Arnold, Chester Nimitz, William “Bull” Halsey, Curtis LeMay e um futuro presidente, Dwight Eisenhower. Truman, no entanto, queria usar a bomba por vários motivos, e não apenas para fazer os japoneses se renderem. Ele esperava que o lançamento da bomba atômica manteria os soviéticos fora do Extremo Oriente e aterrorizaria os líderes daquele país, para que Washington pudesse impor sua vontade ao Kremlin no que diz respeito aos assuntos europeus. E assim, Hiroshima e Nagasaki foram pulverizados. Muitos historiadores americanos percebem isso muito bem. Sean Dennis Cashman escreve:

Com o passar do tempo, muitos historiadores concluíram que a bomba foi usada tanto por motivos políticos. . . Vannevar Bush [o chefe do Escritório de Pesquisa Científica e Desenvolvimento dos Estados Unidos] afirmou que a bomba “também foi entregue no prazo, de modo que não houve necessidade de quaisquer concessões à Rússia no final da guerra”. O secretário de Estado James F. Byrnes [secretário de Estado de Truman] nunca negou uma declaração atribuída a ele de que a bomba havia sido usada para demonstrar o poder americano à União Soviética a fim de tornar [os soviéticos] mais administráveis na Europa. [16]

O próprio Truman, porém, declarou hipocritamente na época que o propósito dos dois bombardeios nucleares tinha sido “trazer os meninos para casa”, ou seja, terminar rapidamente a guerra sem nenhuma perda maior de vidas do lado americano. Essa explicação foi veiculada sem crítica na mídia americana e, assim, nasceu um mito avidamente propagado por eles e pelos principais historiadores nos Estados Unidos e no mundo ocidental em geral, e é claro, por Hollywood.

O mito de que duas cidades japonesas foram bombardeadas para forçar Tóquio a se render, encurtando a guerra e salvando vidas, foi “feito nos EUA”, mas foi avidamente defendido no Japão, cujos líderes do pós-guerra, vassalos dos EUA, considerou-o extremamente útil por uma série de razões, como War Wilson apontou em seu excelente artigo sobre a bomba. Primeiro, o imperador e seus ministros, que foram de muitas maneiras responsáveis por uma guerra que causou tanta miséria ao povo japonês, acharam extremamente conveniente culpar sua derrota, como afirma Wilson, em “um avanço científico surpreendente que não alguém poderia ter previsto ”. A luz ofuscante das explosões atômicas tornou impossível, por assim dizer, ver seus “erros e equívocos”. O povo japonês tinha sido enganado sobre o quão ruim a situação realmente era,

a desculpa perfeita para ter perdido a guerra. Não há necessidade de atribuir culpas; nenhum tribunal de investigação precisa ser realizado. Os líderes japoneses puderam afirmar que fizeram o melhor que podiam. Portanto, no nível mais geral, a Bomba serviu para desviar a culpa dos líderes japoneses.

Em segundo lugar, a bomba conquistou a simpatia internacional do Japão. Como a Alemanha, o Japão travou uma guerra de agressão e cometeu todos os tipos de crimes de guerra. Os dois países buscaram formas de melhorar sua imagem, buscando trocar o manto de agressor. para a de vítima. Nesse contexto, a Alemanha do pós-guerra (ocidental) inventou o mito do Exército Vermelho, descrito como uma horda moderna de mongóis racialmente inferiores, invadindo Berlim, estuprando frauleins loiras e pilhando pacíficas cidades de gengibre a caminho de Berlim. Hiroshima e Nagasaki também permitiram que o Japão se apresentasse como “uma nação vitimizada, que foi injustamente bombardeada com um instrumento de guerra cruel e horrível”.

Terceiro, ecoar a noção americana de que a bomba havia encerrado a guerra certamente agradaria os senhores supremos americanos do pós-guerra no Japão. Este último protegeria a classe alta do Japão contra as demandas por mudanças sociais radicais emanadas de elementos radicais, incluindo comunistas, cujo evangelho “ressoou entre os pobres do Japão, ameaçando o governo plutocrático”. [17]Mas, por algum tempo, a elite preocupou-se com a possibilidade de os americanos abolirem a instituição do imperador e colocar muitos altos funcionários do governo, banqueiros e industriais em julgamento por crimes de guerra. Portanto, foi considerado útil agradar aos americanos e, como disse um historiador japonês, “se eles queriam acreditar que a bomba venceu a guerra, por que decepcioná-los?” A aceitação japonesa de seu mito de Hiroshima gratificou os americanos porque serviu para espalhar a palavra no Japão, em outras partes da Ásia e ao redor do mundo, que os EUA eram militarmente todo-poderosos, mas amantes da paz, e estavam dispostos a usar seu monopólio do átomo bomba apenas quando absolutamente necessário. Ward Wilson continua e conclui da seguinte forma:

Se, por outro lado, a entrada soviética na guerra foi o que causou a rendição do Japão, os soviéticos poderiam alegar que foram capazes de fazer em quatro dias o que os Estados Unidos foram incapazes de fazer em quatro anos, e a percepção de O poder militar soviético e a influência diplomática soviética seriam aumentados. E, uma vez iniciada a Guerra Fria, afirmar que a entrada soviética fora o fator decisivo equivaleria a dar ajuda e conforto ao inimigo. [18]



Ao longo dos anos, o mito de que o “bombardeio” de duas cidades japonesas foi justificado, perdeu muito de seu apelo em ambos os lados do Pacífico. Em 1945, uma esmagadora maioria de 85% dos americanos viam dessa forma, mas essa proporção caiu para 63% em 1991 e 29% em 2015; da população japonesa, apenas 29% aprovou em 2015, e em 2015 apenas 14%. [19] O mito obviamente precisava de um impulso, e foi devidamente fornecido por um dos sucessores de Truman, o presidente Barack Obama.

Obama visitou Hiroshima em maio de 2016. Em discurso público descreveu friamente a pulverização da cidade por meio da bomba atômica em 1945 como “morte caindo do céu”, como se fosse uma tempestade de granizo ou algum outro fenômeno natural em seu país não tinha nada a ver com isso, e ele se esqueceu de proferir uma única palavra de arrependimento, muito menos um pedido de desculpas, em nome do Tio Sam. Em uma reportagem entusiasmada sobre esse desempenho presidencial, o New York Times, um dos principais jornais da América, escreveu que “muitos historiadores acreditam que os atentados a Hiroshima e depois a Nagasaki, que juntos tiraram a vida de mais de 200.000 pessoas, salvaram vidas equilibradas, já que uma invasão das ilhas teria levado a um derramamento de sangue muito maior ”. [20]Que numerosos fatos contradizem esta “crença”, e que numerosos historiadores acreditam que exatamente o oposto não foi mencionado. É assim que os mitos, mesmo os mitos enfermos, são mantidos vivos.

ORIGENS.

Alperovitz, Gar. Diplomacia atômica: Hiroshima e Potsdam. O uso da bomba atômica e o confronto americano com o poder soviético , nova edição, Harmondsworth, Middlesex, 1985 (edição original 1965).

Cashman, Sean Dennis. Roosevelt e a Segunda Guerra Mundial , Nova York e Londres, 1989.

Cummings, Bruce. The Korean War: A History , Nova York, 2011.

Dülffer, Jost. Jalta, 4. Februar 1945: Der Zweite Weltkrieg und die Entstehung der bipolaren Welt , Munique, 1998.

Gowans, Stephen. Patriots, Traitors and Empires: The Story of Korea’s Struggle for Freedom , Montreal, 2018.

Harris, Gardiner. “No Hiroshima Memorial, Obama Says Nuclear Arms Require ‘Moral Revolution’”, The New York Times , 27 de maio de 2016

Hasegawa, Tsuyoshi. Racing the Enemy: Stalin, Truman, and the Surrender of Japan , Cambridge, MA, 2005.

Kohls, Gary G. “Whitewashing Hiroshima: The Uncritical Glorification of American Militarism,” http://www.lewrockwell.com/orig5/kohls1.html

Kolko, Gabriel. The Politics of War: The World and United States Foreign Policy, 1943-1945 , New York, 1968.

Kolko, Gabriel. Main Currents in Modern American History , Nova York, 1976.

Pauwels, Jacques R. The Myth of the Good War: America in the Second World War, revised edition, Toronto, 2015.

Stokes, Bruce. “70 years after Hiroshima, opinions have shifted on use of atomic bomb”, Factank, August 4, 2015, https://www.pewresearch.org/fact-tank/2015/08/04/70-years-after-hiroshima-opinions-have-shifted-on-use-of-atomic-bomb.

Terkel, Studs. “The Good War”: An Oral History of World War Two, New York, 1984.

Williams, William Appleman. The Tragedy of American Diplomacy, revised edition, New York, 1962.

Wilson, Ward. “The Bomb Didn’t Beat Japan … Stalin Did. Have 70 years of nuclear policy been based on a lie?”, F[oreign]P[olicy], May 30, 2013, https://foreignpolicy.com/2013/05/30/the-bomb-didnt-beat-japan-stalin-did.

Notes.

[1] France was to join this trio later, thus making it the Big Four.

[2] Kolko (1968), pp. 50-51.

[3] Williams, p. 250.

[4] Dülffer, p. 155.

[5] Kolko (1976), p. 355.

[6] Alperovitz, p. 223.

[7] Alperovitz, p.156.

[8] Pauwels, pp. 178-79.

[9] Quoted in Alperovitz, p. 24.

[10] Wilson.

[11] Quoted in Terkel, p. 535.

[12] Kohls.

[13] Hasegawa, pp. 185-86, 295-97; Wilson.

[14] For a myth-free history of the tragedy if the division of Korea, see the books by Cummings and by Gowans.

[15] Quotation in Horowitz, p. 53.

[16] Cashman, p. 369.

[17] American historian Sarah C. Paine as quoted in Gowans, p. 106.

[18] Wilson

[19] Stokes.

[20] Harris.

This essay is adapted from Jacques Pauwels forthcoming book on The Great Myths of Modern History,

Jacques R. Pauwels is the author of The Great Class War: 1914-1918.

CounterPunch
Tells the Facts and Names the Names
Published since 1996
Copyright © CounterPunch
All rights reserved.
counterpunch@counterpunch.org
“]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s