Categorias
Sem categoria

O bastidor da política:Cenário prospectivo favorece Bolsonaro

O bastidor da política:
Cenário prospectivo favorece Bolsonaro

(Nilson Teixeira, Valor Econômico, 23 de junho de 2021)

As eleições de 2022 estão distantes, mas a corrida eleitoral já começou. Os candidatos mais fortes hoje são o presidente Bolsonaro (sem partido) e o ex-presidente Lula (PT). A construção de uma 3ª via competitiva dificilmente evoluirá, pois não há uma figura óbvia capaz de aglutinar parte da sociedade em torno de uma agenda de centro e evitar a polarização entre Lula e Bolsonaro no 2º turno.

Duas candidaturas, porém, tirarão muitos votos dos candidatos mais fortes, sem mencionar o provável aumento dos votos brancos e nulos. O nome consolidado, por ora, é o do ex-governador Ciro Gomes (PDT). Por representar um perfil de centro-esquerda, sua candidatura tende a tomar votos primordialmente de Lula. Por outro lado, o nome a ser escolhido pelo PSDB, com viés de centro-direita, tirará votos principalmente de Bolsonaro.

As pesquisas de intenção de voto indicam Lula à frente de Bolsonaro nas simulações de 2º turno. Não obstante, esses resultados somente retratam o quadro atual, podendo mudar nos próximos trimestres em favor do ocupante da presidência.

O principal fator contra Bolsonaro está associado à morte de mais de 500 mil pessoas, vitimadas, em parte, pela inação do seu governo e pela desastrosa atuação do presidente. O maior obstáculo para sua candidatura seria a CPI da Covid-19 prosperar e, juntamente com o adensamento das atuais manifestações populares, impedir a consolidação e conquista de votos. A improvável, neste momento, abertura de um processo de impeachment dificultaria ainda mais a reeleição. Sem essa dinâmica e apesar da calamidade gerada pelos indesculpáveis erros do governo, esses temas podem estar menos presentes no noticiário na época das eleições, dado o esperado colapso do número de casos e mortes diárias com a imunização de grupo.

Por outro lado, é provável que Bolsonaro seja vocal nos próximos trimestres sobre a sua pretensa vitória contra o coronavírus, alegando que foi o seu governo que promoveu a compra de vacinas e a vacinação da população. Ademais, as críticas contra as ações do presidente durante a pandemia, muito vivas hoje, podem infelizmente não estar no rol das considerações de parte expressiva dos eleitores em outubro de 2022.

Bolsonaro também tem se movimentado para conquistar maior apoio. O presidente, por exemplo, parece inclinado a elevar os salários do funcionalismo federal em 5% no próximo ano para arregimentar votos e evitar greves. Em um contexto de alto desemprego e de aumento da miséria, é questionável a elevação dos salários para um grupo que goza de garantia de emprego e rendimentos superiores aos pagos pelo setor privado. Todavia, a elevação permanente da folha de pagamentos – servidores ativos e, por conta da paridade, aposentados – em cerca de R$ 20 bilhões em 2022 não parece um entrave para o desejo do presidente, mesmo que correspondendo a mais de 50% das atuais despesas com o Bolsa Família.

Para alcançar a camada mais vulnerável da população, Bolsonaro tem a seu favor o Auxílio Emergencial e a ampliação dos benefícios e do número de famílias atendidas pelo Bolsa Família a partir de 2022 – Bolsonaro divulgou um aumento para quase R$ 300 por mês. Esse movimento eleva o apoio ao presidente, apesar de o ex-presidente Lula estar muito associado à implantação de programas de apoio aos mais necessitados.
Bolsonaro também tem atuado para aumentar sua base política. A busca por um partido sobre o qual tenha controle da alocação de recursos e da seleção de candidatos faz parte dessa estratégia. O escolhido parece ser o Patriota. Como sua representatividade no Congresso é reduzida, a construção de uma coalizão de apoio é relevante para angariar recursos e tempo de propaganda eleitoral – a campanha de 2018 sugere, porém, que isso não é crucial.
Para construir esse apoio, o presidente pode direcionar parte dos gastos do Orçamento de 2022. Entretanto, esse direcionamento, pouco servirá se a covid-19 não tiver sido derrotada, a recuperação da atividade não se sustentar e a inflação não recuar bastante. Mesmo se beneficiados com vultosos recursos no Orçamento de 2022, os líderes dos partidos retardarão a definição do seu apoio nas eleições até terem clareza sobre a dinâmica da economia.

O ambiente econômico ainda é desfavorável, com a taxa de desemprego de 13,4% em março dificilmente recuando de forma significativa neste ano. Ademais, a inflação IPCA acumulada em 12 meses tem aumentado desde o 3º trimestre de 2020, alcançando cerca de 8,5% agora em junho. Esse ambiente é um dos fatores que contribui para a liderança de Lula nas simulações de 2º turno.

Entretanto, a retomada da atividade tem sido mais sólida do que antecipado, com o crescimento do PIB podendo alcançar 6,0% neste ano. Mesmo que a expansão em 2022 diminua para o intervalo entre 1,5% e 2,5%, a economia estará em melhores condições, com a taxa de desemprego recuando para próximo de 11% no período eleitoral. Ao mesmo tempo, a inflação IPCA tende a retroceder a partir de agosto, alcançando 3,8% no fim de 2022, segundo projeções do Focus. A menos que a inflação seja muito mais alta e a atividade mais fraca, os fundamentos da economia serão mais favoráveis para o presidente.

Por fim, Bolsonaro fará uso da sua forte presença e apoio em diversas redes sociais. A estratégia utilizada na eleição passada continua potente, apesar do desgaste com algumas personalidades que se afastaram do presidente. Mais do que defender o seu 1º mandato, a campanha se concentrará, provavelmente, em críticas ao período do governo PT e em acusações de malfeitos de membros do partido.

Em suma, as atuais pesquisas eleitorais são incapazes de antecipar o resultado eleitoral de 2022, pois representam uma fotografia do atual momento. A corrida eleitoral só está começando e, portanto, não é possível ter prognósticos robustos, que não seja a impressão de que, a não ser que a sociedade não esqueça as irreparáveis perdas de vidas com a pandemia, os fatores que definem a eleição tendem a estar mais favoráveis para Bolsonaro em meados de 2022.

Nilson Teixeira, sócio-fundador da Macro Capital Gestão de Recursos, escreve quinzenalmente neste espaço

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s