Categorias
Sem categoria

CANAL “Piero Leirner”: contra-efetuação da GUERRA HÍBRIDA:Caso Pazuello & além

CANAL “Piero Leirner”: contra-efetuação da GUERRA HÍBRIDA:Caso Pazuello & além.

1) Não existe isso de Exército não é instituição de Governo. Exército, hoje e há algum tempo, é Governo.

2) A imprensa ainda não entendeu isso. Por que? a) 🌱 porque insistiu na ideia de que AGORA começou o risco de politização 🌱. ‼️Garanto que não foi nem agora nem que é só um risco ‼️b) 🌱porque ela espalha a versão de que é Bolsonaro que politiza as Forças Armadas 🌱, ‼️ e não elas que militarizam o Governo ‼️.

3) Sendo assim, há duas coisas a apontar: i) o que ocorreu mostra que 🔝acima de tudo 🔝 o Exército PRECISA sustentar a versão de que é Bolsonaro que está no comando, e que elas estão sendo constrangidas por ele. É vital para eles a manutenção da ideia de que o laranja que está no poder não seja identificado como tal. Estratégia da abordagem indireta; não vão arriscar isso por nada, mesmo que sua imagem fique arranhada por uns dias.

ii) por isso deve ter sido calculado, na avaliação dos generais, que valia a pena produzir uma bomba informacional de “choque e pavor” agora, uma vez que o ruído da campanha de Bolsonaro nos quartéis a partir de 2014 estava pondo em risco todo esse aparato cognitivo. Note-se que mesmo jornalistas experientes (e que estão nessa rede daqui) voltaram a dizer que o problema começou em 2018. Isso é a versão heavy, a light tá predominante na coisa de que tudo começou na semana passada.

4) Toda essa discussão tem prazo de validade com vencimento próximo. O papel de Bolsonaro é produzir focos de incêndio (a ideia de “incendiário” é minha, não do picareta do 247, ok?) justamente visando a não-resolução da contradição anterior. Isso é a essência do tal “OODA Loop” das estratégias militares em guerra de 4a geração. O assunto anterior morre na medida em que travamos em mais um absurdo que não por acaso tem um “timing” certo para aparecer.

5) a maior parte dos militares fecha com Bolsonaro e não abre, está em regime de dissonância cognitiva e vai selecionar toda a realidade para confirmar seu próprio modelo. Seu principal meio de comunicação e informação é o SISNIZAP, Sistema Nacional de Informações do Zazap. Os generais que manipulam tudo isso (a “Central”) sabem desse “problema” e já produzem em velocidade baixa o foco concorrente.

6) a “concorrência” parte justamente dos “generais dissidentes”. Como eu e
o Marcelo Pimentel, Jorge de Souza, o Heraldo Makrakis e o Romulus Maya cansamos de apontar desde 2019, Santos Cruz é parte dessa estratégia de “pinça”, a “válvula de escape”. Tudo no Exército é hierarquia, e assim esse movimento começa com generais para depois arrastar o resto, se for o caso. Se bobear, Mourão entra como “situação” e Santos Cruz como “oposição”. A não-punição de Pazuello reforça a ideia de que o Exército está fora de controle, e só um militar vai dar conta de normalizar a situação. Este pavor aumentará conforme Lula subir nas pesquisas. Os militares são o novo Mario Amato. Lembre-se que desde sempre o plano é esse: Bolsonaro toca o terror e os militares aparecem como freio e contrapeso. Agora eles expandiram isso para… os próprios militares! Ou seja, nada mais eficiente do que se resolver o problema que você mesmo criou…, especialmente se a maioria achar que o problema foi criado por um terceiro.

7) O único meio de produzir uma desacoplagem rápida e em massa vai ser enfiando a palavra-chave “corrupção” na testa do Presidente. Enquanto isso não aparecer é mais provável que continuemos nesse padrão “1 escândalo por semana”.

8) A imprensa está paralisada no mnemonismo da reeleição de Bolsonaro. Não vê sinais importantes:

-) que Bolsonaro não só não tem partido como saiu daquele que lhe daria capilaridade com prefeituras caso tivesse feito política básica em 2020;-

-) que Bolsonaro tinha o orçamento liberado para produzir um mega plano de ação que ia ser um “ponto de não retorno” na saúde, coisa que ia eleger ele e seus rebentos por 100 anos.

—) com o clima antipetista qualquer coisa que habitasse o Planalto ia dar certo; não dá de propósito, e mesmo assim é notável a resiliência dele, que só é possível por conta do fantasma de Lula. Por isso mesmo Lula é útil aos generais, uma vez que sustenta o laranjal que aparenta governar o País.–

–) sendo assim, o problema não é o que Bolsonaro pensa da reeleição, mas o que quem realmente governa pensa de 2022. E, assim, finalmente, voltamos de onde começamos. Suba ao item “1”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s