Categorias
Sem categoria

Andrew Korybko.Por que Biden comparou a presença militar dos EUA no indo-pacífico à OTAN? CGTN, 30 de abril de 2021.

https://www.mundomultipolar.org/2021/04/andrew-korybkopor-que-biden-comparou.html

O presidente dos EUA Joe Biden fala em uma sessão conjunta do Congresso na dos Deputados no Capitólio dos EUA em Washington, D.C., 28 de abril de 2021. /VCG

Nota do editor: Andrew Korybko é um analista político americano com sede em Moscou. O artigo reflete as opiniões do autor e não necessariamente as da CGTN.

O primeiro discurso do presidente dos EUA Joe Biden ao Congresso desde sua posse foi focado principalmente em questões domésticas, mas uma parte em particular chamou a atenção dos observadores internacionais. Foi quando o líder americano comparou a presença militar dos EUA no indo-pacífico à OTAN. Em suas próprias palavras, “também disse ao presidente Xi [Jinping] que manteremos uma forte presença militar no Indo-Pacífico, assim como fazemos com a OTAN na Europa, não para iniciar conflitos, mas para evitar conflitos.” Isso foi precedido por ele proclamando no início de seu discurso que “Estamos em uma competição com a China e outros países para vencer o século 21”.

Em outras palavras, Biden acredita que a presença da OTAN nos EUA no Indo-Pacífico ajudará a América a vencer a competição do século 21 que se convenceu de que está dentro da China. Esta é uma maneira perigosa de abordar a situação neste espaço transregional estratégico. A comparação em si também é provocativa porque a OTAN tem um histórico de desestabilização do envolvimento militar na Europa que seus gestores de percepção retratam enganosamente como “pacífico”.

Longe de ser uma força de paz para “evitar conflitos” como Biden agora afirma como parte de seu revisionismo histórico, a OTAN realmente piorou os conflitos em alguns lugares.

Esta observação levanta uma preocupação ainda mais séria para o Indo-Pacífico como resultado da comparação de Biden com as forças dos EUA lá com as da OTAN na Europa. Pode muito bem ser o caso de que a emergente aliança semelhante à OTAN do Quad entre si, Austrália, Índia e Japão possa considerar o lançamento de “intervenções humanitárias” semelhantes neste espaço transoceânico que se estende do leste da África até as costas ocidentais da América do Sul. Afinal, o modus operandi da OTAN para o envolvimento em (ou melhor, a exacerbação direta de) conflitos europeus foi esse pretexto, que poderia ser negativo para Mianmar devido à sua última agitação nos últimos meses.


A reunião virtual do Diálogo de Segurança Quadrilateral (Quad), 12 de março de 2021. /Getty

O que é interessante sobre a admissão tácita de Biden de que o Quad é na verdade uma chamada “OTAN asiática” como muitos temiam que realmente fosse esse tempo inteiro, apesar das negações anteriores é que a Índia, que tem potencial para funcionar como o principal aliado asiático do bloco, insistiu anteriormente que este não é o caso. O ministro das Relações Exteriores da Índia, Subrahmanyam Jaishankar, disse em meados de abril, no Diálogo Raisina da Índia, que o Quad não é uma “OTAN asiática”, nem seu país abriga “esse tipo de mentalidade da OTAN”. Com isso em mente, a declaração impressionante de Biden em 28 de abril pode fazer o Estado do Sul asiático repensar seu compromisso com o bloco.

Pode muito bem vir a ser que a Índia foi enganada para se juntar ao Quad e ir junto com alguns de seus últimos esquemas porque sinceramente não acreditava que era para funcionar como uma “OTAN asiática”. O país segue orgulhosamente uma política de multi-alinhamento que tem a intenção aberta de maximizar sua preciosa autonomia estratégica, mas permanecendo totalmente comprometida com o Quad, especialmente na dimensão militar, mas a surpreendente revelação franca de Biden colocaria isso em risco. Os observadores podem, portanto, esperar que essa parte de seu discurso seja intensamente discutida em Nova Délhi nos dias seguintes.

Ao todo, o mundo deveria ser grato a Biden por sua candidatura. Já era hora de os EUA admitirem o que estava acontecendo com o Quad. Todos mereciam conhecer as verdadeiras intenções estratégicas da América com aquele bloco militar emergente. Exatamente como muitos suspeitavam por tanto tempo, agora acontece que ele era realmente destinado a funcionar como uma “OTAN asiática” por tudo que não fosse nome. Isso, por sua vez, permite que os países desse espaço estratégico se preparem melhor para o que poderia estar por vir, o que poderia, no pior dos cenários, ser um impulso belicoso no futuro para lançar invasões sob o pretexto de “intervenções humanitárias”.

(Se você quiser contribuir e tiver experiência específica, entre em contato conosco em opinions@cgtn.com.)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s