Categorias
Sem categoria

Reflexões sobre o genocídio como o crime definitivo

https://www.counterpunch.org/2021/04/23/reflections-on-genocide-as-the-ultimate-crime/

DE ALFRED DE ZAYAS – RICHARD FALKFacebookTwitterRedditE-mail

Esta fotografia mostra o líder armênio Papasyan vendo o que restou depois dos horrendos assassinatos perto de Deir-ez-Zor em 1915-1916. Fonte da fotografia: Bodil Katharine Biørn – Arquivos Nacionais da Noruega – Domínio Público

O uso indevido da palavra genocídio é desdenhoso para com os parentes das vítimas dos massacres armênios, do Holocausto, do genocídio de Ruanda – e também um desserviço à história, à lei e à conduta prudente das relações internacionais. Já sabíamos que estávamos à deriva em um oceano de notícias falsas. É muito mais perigoso descobrir que também corremos o risco de ser imersos nas águas turbulentas da “lei falsa”. Devemos recuar com senso de urgência. Tal desenvolvimento não é tolerável.

Achávamos que a eleição de Biden nos pouparia de ameaças de corrupção da linguagem disseminada por Donald Trump, John Bolton e Mike Pompeo. Pensamos que não estaríamos mais sujeitos a alegações sem evidências, pós-verdade e invenções cínicas de fato. Agora parece que estávamos errados.

Lembramos que Pompeo se gabava da utilidade de mentir, ouvimos suas acusações incendiárias contra Cuba, Nicarágua, suas afirmações bizarras de que o Hezbollah estava na Venezuela, suas travessuras em nome de Trump – tudo em nome do MAGA.

Donald Trump e Mike Pompeo não tiveram sucesso em tornar a América grande novamente. Eles conseguiram diminuir a já baixa opinião que o mundo tinha da América como um país que jogava pelas regras estabelecidas internacionalmente. Um desenvolvimento decisivo nessa espiral descendente foi o megacrime de George W. Bush – a invasão e devastação não provocadas do Iraque, que o secretário-geral da ONU, Kofi Annan, chamou de “guerra ilegal” em mais de uma ocasião. Observamos o envolvimento de Barak Obama na destruição da Líbia, com ressonância amarga pelas palavras indizíveis de Hillary Clinton sobre a morte de Kadafi, ditas com alegria imperial: “Viemos, vimos, ele morreu”. Não podemos esquecer as sanções econômicas criminais de Trump e os bloqueios financeiros que punem sociedades inteiras em meio a uma pandemia paralisante. Foram crimes contra a humanidade cometidos em nosso nome. Essas sanções nos lembravam dos implacáveis ​​cercos medievais de cidades, com o objetivo de submeter populações inteiras à fome. Pensamos nas mortes de um milhão de civis resultantes do bloqueio alemão de Leningrado, de 1941 a 1944.

Não, para tornar a América grande novamente, parece perverso supor que isso possa acontecer continuando a se comportar como um valentão internacional, ameaçando e espancando povos inteiros. Não, para fazer com que a América seja respeitada e admirada no mundo, podemos e devemos começar revivendo o legado de Eleanor Roosevelt, redescobrindo o espírito e a espiritualidade da Declaração Universal dos Direitos Humanos e, de forma mais ampla, reencenando o humanismo voltado para a paz de John F. Kennedy.

Podemos e devemos exigir mais de Joe Biden e Antony Blinken. Alegações sem evidências de “genocídio” em Xinjiang, China, são indignas de qualquer país e, acima de tudo, do país que deseja atuar como o principal defensor internacional dos direitos humanos. Raphael Lemkin se viraria em seu túmulo se soubesse que o crime de “genocídio” foi tão grosseiramente instrumentalizado para bater os tambores da Sinofobia. A súbita onda de interesse dos Estados Unidos pelo destino do povo uigur parece menos motivada pela compaixão ou pela proteção dos direitos humanos do que tirada das páginas mais cínicas do manual maquiavélico de geopolítica.

Genocídio é um termo bem definido no direito internacional – na Convenção de Genocídio de 1948 e no Artigo 6 do Estatuto de Roma. Os tribunais internacionais mais respeitados concordaram separadamente que a prova do crime de genocídio depende de uma apresentação extremamente convincente de evidências factuais, incluindo documentação de uma intençãodestruir total ou parcialmente grupos nacionais, étnicos, raciais ou religiosos. O Tribunal Criminal Internacional para a ex-Iugoslávia, o Tribunal Penal Internacional para Ruanda, a Corte Internacional de Justiça – todos se esforçaram para fornecer testes oficiais de “intenção”, tratando a intenção como o elemento essencial no crime de genocídio. Essa jurisprudência é o que deveria orientar nossos políticos a chegar a conclusões prudentes sobre se existem fundamentos credíveis para apresentar acusações de genocídio, dados seus efeitos inflamatórios. Deveríamos estar perguntando se a situação factual está obscurecida, exigindo uma investigação internacional independente seguida de novas ações se julgadas apropriadas, e no mundo com armas nucleares, devemos ser extremamente cuidadosos antes de fazer tal acusação.

A alegação de Mike Pompeo de que a China estava cometendo genocídio em Xinjiang não foi sustentada nem por um indício de evidência. Foi um exemplo particularmente irresponsável de postura ideológica no seu pior e, além disso, uma adoção de uma geopolítica imprudente. É por isso que é tão chocante para nós que o Relatório de Direitos Humanos do Departamento de Estado dos EUA de 2021 repita a acusação de “genocídio” em seu Resumo Executivo, mas nem mesmo se preocupa em mencionar tal acusação provocativa no corpo do relatório. Esta é uma alegação irresponsável, irracional, não profissional, contraproducente e, acima de tudo, perigosamente incendiária, que poderia facilmente sair de controle se a China decidir responder na mesma moeda. A China estaria em terreno mais firme do que Pompeo ou o Departamento de Estado se acusasse os Estados Unidos de “continuar o genocídio” contra as Primeiras Nações das Américas, Cherokees, Sioux, Navajo e muitas outras nações tribais. Só podemos imaginar a reação furiosa se tivesse

foi a China que foi a primeira a falar livremente sobre genocídio.

Ao fazer afirmações não fundamentadas, o governo dos EUA está minando seriamente sua própria autoridade e credibilidade para reviver seu papel como líder global. Desempenhar este papel internacional construtivo não é uma demonstração de “armamento” dos direitos humanos contra a China – ou a Rússia. Em vez disso, uma política externa dedicada à promoção genuína dos direitos humanos exigiria cooperação internacional na realização de investigações confiáveis ​​de graves violações dos direitos humanos e crimes internacionais, onde quer que ocorram – seja na Índia, Egito, China, Rússia, Turquia, Arábia Saudita, Mianmar, Iêmen, Brasil, Colômbia. Esperamos que Washington de Biden esteja confiante o suficiente para ser até mesmo receptivo às investigações realizadas em resposta a alegações de violações contra os Estados Unidos da América e seus aliados mais próximos na Europa e em outros lugares.

A corrupção orwelliana da linguagem por funcionários do governo dos Estados Unidos, os padrões duplos, a disseminação de notícias falsas pela grande mídia, incluindo a “imprensa de qualidade” e a CNN, autointitulada como “o nome mais confiável nas notícias”, estão nos corroendo -respeito. Na verdade, a manipulação da opinião pública minando nossa democracia enquanto sucumbimos

aos exageros dos erros dos outros que dão um toque adicional à propaganda hostil e estão levando o mundo à beira de um precipício geopolítico proibitivo e, no processo, aumentando as perspectivas de uma nova guerra fria – ou pior.

A administração Biden deve, no mínimo, mostrar respeito pelo povo americano e pelo direito internacional, parando de baratear o significado da palavra “genocídio” e parando de tratar os direitos humanos como ferramentas geopolíticas de conflito. Esse comportamento irresponsável pode acalmar os nervos dos trumpistas e criar uma fachada de unidade baseada em retratar a China como o novo ‘império do mal’, mas é um estratagema de política externa que deve ser rejeitado, pois parece uma receita para um desastre global.

Alfred de Zayas é advogado, escritor, historiador, especialista na área de direitos humanos e direito internacional e alto funcionário aposentado das Nações Unidas. Richard Falk é Albert G. Milbank Professor Emérito de Direito Internacional na Universidade de Princeton e Professor Visitante em Estudos Globais e Internacionais na Universidade da Califórnia, Santa Bárbara.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s