Categorias
Sem categoria

Reminiscência do futuro …: Até ela entendeu.

http://smoothiex12.blogspot.com/2021/04/even-she-gets-it.html?m=1

Até ela consegue…


Quero dizer, Frau Kanzlerin começa a suspeitar que não se trata de Rússia ou “democracia”, mas de devorar a Europa Ocidental e colocar a Alemanha no altar do desespero da América para preservar uma ilusão de hegemonia própria, por mais um pouco, como um primeira vítima sacrificial. O resto da Europa o seguirá. Hoje ela descobriu, mais ou menos …

Frau Merkel esqueceu apenas uma coisa: Nord Stream 1 (também conhecido como NS) foi concluído em 2011-12, na época em que, apesar de os Estados Unidos já se oporem veementemente a este gasoduto, era uma péssima ideia admitir aos europeus que eles estavam sendo mantidas apenas como uma refeição pronta para comer (MRE) pelos Estados Unidos, que ainda os chamavam de “parceiros” e “aliados”. Naquela época, sob a supervisão de Obama, tudo nos EUA deveria estar funcionando bem e eficientemente, você conhece ” a melhor força de combate da história “, o tio de Obama libertando Auschwitz e coisas dessa natureza. O andamento ainda estava bom, ou pelo menos era visto como bom, e era possível jogar o jogo das “relações aliadas” e dos “valores comuns”

Bem, é 2021 e todos nós sabemos o placar, mais ou menos. Os Estados Unidos não podem competir com a Rússia ou a China e estão em um declínio terminal, pois que faliu a autoproclamada hegemonia americana; para detê-los, a América precisa que os europeus se tornem alimento. Sem surpresa, aqueles na Europa que ainda têm algum cérebro depois de uma lavagem cerebral completa e chantagem não querem se tornar alimento para os Estados Unidos. Quem quer? Bem, a Polônia e os Estados Bálticos com a Ucrânia querem, mas eles são meros chacais circulando a mesa do prato principal, ou, como a Ucrânia, são preservativos usados para serem jogados na lata de lixo. O prato principal é a Alemanha, porque uma vez devorada, o resto da Europa a seguirá. Agora, a incolor e não muito brilhante chanceler da Alemanha, Frau Merkel, observa:
“Tenho a impressão de que, com o Nord Stream 2, podemos estar travando um conflito muito mais amplo e isto aborda a questão de até que ponto queremos negociar com a Rússia, especialmente no setor de energia”.
O que diabos você diz, Einstein!

A Rússia pode viver sem a Alemanha; na verdade, o muito bem-sucedido programa de substituição de importações da Rússia foi lançado precisamente para atingir esse objetivo – viver sem dependência da Europa. É a Alemanha – que é um país ocupado – e que não pode admitir para si mesma que está sendo lentamente cozida em banho maria pelos EUA, pois atingir o colapso industrial alemão significa abrir o mercado para os americanos (isso quer dizer do gás russo comprado pelos EUA e revendidos para a Alemanha por preço muito mais alto) além de hidrocarbonetos e produtos industriais. Um tiro, dois coelhos, diz o pensamento americano, “abrindo” o mercado alemão ao mesmo tempo que torna os produtos alemães muito menos competitivos do que os americanos. De qualquer maneira esse é o plano para implementá-lo: à Alemanha deve ter negada a energia acessível da Rússia. Nord Stream 2, portanto, delenda est.
No entanto, há um probleminha aqui para a América e seu cãozinho de estimação, o Reino Unido: O pensamento e planejamento geopolítico da América, tal como Skripal Affair, e o atual destaque da explosão de armazenamento de munições em 2014, na República Tcheca, supostamente por russos, com a subsequente comédia diplomática ou tentativas de acender várias conflitos em torno da Rússia, principalmente por meio de tentativas de derrubar o governo da Bielo-Rússia- todas essas tentativas fracassando espetacularmente – são apenas alguns indicadores de um extremo distanciamento do establishment norte-americano da realidade e de sua incapacidade de enfrentar os fatos. Os EUA vão jogar sob o ônibus qualquer um, se necessário, como aconteceu com a República Tcheca, sempre com forte ênfase na russofobia, e todas essas são tentativas desesperadas dos EUA para tentar impedir a integração das economias da Europa Ocidental ao colossal mercado da Eurásia que está se formando pela China e pela Rússia. Como escrevi há duas semanas:

Então… a Rússia só cuida de seus negócios porque conhece o jogo, conhece o placar e há muito calculou as jogadas dos Estados Unidos, que, francamente, não são tão difíceis de prever. Scott Ritter está muito mais do que eu informado sobre as correntes subaquáticas dentro do Beltway e ele pode estar certo ao afirmar o seguinte:
“Mas algo me diz que agora é muito pouco, muito tarde para limpar o que equivale à política externa dos Estados Unidos: Os estábulos do rei Augeas.. como exigirão um homem de habilidades e coragem hercúleas, especialmente depois do deserto deixado nas políticas interna e externa dos Estados Unidos (e de Israel -primeiro) por neoconservadores como Kagans, cujas habilidades intelectuais são inversamente proporcionais às suas ambições gigantescas , e cujos danos às relações russo-americanas e à própria América são profundos e dificilmente consertados, será que isso é possível? Quando até mesmo a mansa e covarde Frau Merkel começa a entender que o fundo do poço está à vista, isso quer dizer que até ela percebeu.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s