Categorias
Sem categoria

‘ —Pacificação ‘- o eufemismo para a ditadura do Brasil sob Bolsonaro – Strategic Culture

https://www.strategic-culture.org/news/2021/04/11/pacification-euphemism-for-brazil-dictatorship-under-bolsonaro/

‘Pacification’ – the Euphemism for Brazil’s Dictatorship Under Bolsonaro

11 de abril de 2021

Embora o Bolsonaro possa ter suscitado recentemente uma cisão entre o governo e os militares, quaisquer divergências ou diferenças de opinião ou estratégia entre as duas entidades ainda tenderão para a ideologia de direita.
Em julho de 1963, o governo Kennedy decidiu que precisava “fazer algo pelo Brasil”. O papel dos Estados Unidos, na época, era desestabilizar o país, o que o fez por meio da Agência Central de Inteligência (CIA) entre 1961 e 1963, ao mesmo tempo em que considerava as opções de aproximar o Brasil dos interesses imperialistas norte-americanos. O presidente João Goulart podia ou expulsar a esquerda deste governo, ou então enfrentaria um golpe militar, que em 1962 já era considerado a opção preferível.

Em 31 de março, as Forças Armadas do Brasil, apoiadas pelos Estados Unidos, deram um golpe militar que obrigou Goulart ao exílio no Uruguai. Os Estados Unidos reconheceram imediatamente o governo militar, que abriu caminho para a tortura generalizada de oponentes. As estatísticas indicam um número menor de civis desaparecidos no Brasil do que no Chile e na Argentina, por exemplo. No entanto, o uso da tortura era galopante e o principal método usado para reprimir qualquer resistência à ditadura. Mais de 50.000 brasileiros foram detidos e torturados, enquanto 10.000 foram forçados ao exílio.

No governo do atual presidente Jair Bolsonaro, a ditadura militar agitou de forma brutal a memória do país. Enquanto em 2011 o Congresso brasileiro votou a favor de um projeto de lei para a criação de uma comissão da verdade como primeiro passo rumo à justiça e à construção da memória coletiva do país, Bolsonaro tentou emular táticas de ditadura dentro de um quadro democrático por meio de suas políticas, os ataques políticos nas comunidades indígenas, a educação, além de dar espaço à direita para voltar a florescer no país.
As recentes comemorações do golpe por várias autoridades brasileiras e indivíduos influentes atestam a normalização do governo da violência de direita. “Estamos aqui para comemorar a expulsão dos comunistas do governo brasileiro”, declarou um empresário .

Sem nenhuma responsabilidade até agora em termos de estabelecer a culpabilidade pela tortura, Bolsonaro explorou o vácuo que prevalece no lugar da memória. Em 1974, por exemplo, o presidente brasileiro Ernesto Geisel deu ordem para continuar a “execução sumária de subversivos perigosos”, conforme constava em um memorando a Henry Kissinger, o secretário de Estado dos Estados Unidos na época. O documento afirma que 103 brasileiros foram executados por métodos extrajudiciais em 1973.

Documentos desclassificados apresentados em 2014 à ex-presidente Dilma Roussef detalham os métodos de tortura e execução empregados pela ditadura militar. Um método usado para eliminar a identificação de corpos foi denominado “costura” – atirar em uma pessoa da cabeça ao topo com uma arma automática. O encobrimento preferido da ditadura para a eliminação de seus oponentes foi a fabricação de um tiroteio – alegando que os prisioneiros foram baleados durante a tentativa de fuga.

O ministro da Defesa, Walter Braga Netto, insistiu no “direito” de comemorar o golpe, dizendo : “As Forças Armadas acabaram assumindo a responsabilidade de pacificar o país, enfrentando os desafios de reorganizá-lo e garantir as liberdades democráticas de que hoje gozamos”. Mas se o golpe garantiu a liberdade, por que teria que recorrer à opressão para aniquilar o que alegadamente obteve?

Enquanto o próprio Bolsonaro se absteve de fazer quaisquer comentários, ao contrário dos anos anteriores, o discurso de uma suposta pacificação de um dos principais funcionários do país é uma personificação dos elogios constantes de Bolsonaro aos crimes da ditadura. Além disso, coloca obstáculos ao direito das pessoas à justiça e à memória, apelando para a glorificação da direita das gerações mais jovens, colocando o país em uma possível ruptura política. E embora Bolsonaro possa ter recentemente causado uma cisão entre o governo e os militares, quaisquer divergências ou diferenças de opinião ou estratégia entre as duas entidades ainda irão se inclinar para a ideologia de direita que Bolsonaro promoveu desde sua incursão na política, e de forma mais vociferante, desde que ele foi eleito presidente.As opiniões dos colaboradores individuais não representam necessariamente as opiniões da Strategic Culture Foundation. Tag:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s